Conheça as vantagens da neurociência na Educação Corporativa

 

A neurociência estuda como cada indivíduo se comporta em determinadas situações. Por exemplo, como ele reage em situações de estresse, como se forma seu processo criativo e de motivação, de que maneira ele pode se auto sabotar e também como ele pode ampliar seus resultados.

Além disso, a neurociência nos apresenta processos químicos que são gerados em nosso organismo a partir da obtenção de determinado estímulo. Por meio dessas informações é possível tomar ações que minimizem conflitos, antecipando os problemas e desenvolvendo a inteligência emocional.

Essa capacidade é muito valiosa para o ambiente empresarial e para a qualidade de vida. Com esse estudo é possível notar que, muitos dos padrões apresentados pelas pessoas, de modo geral, podem ser reeducados para que tenham desempenhos de alta performance.

Logo, são inúmeras as vantagens da neurociência na educação corporativa, e fazer uso desse conhecimento pode alavancar e desvendar potenciais antes adormecidos.

Pensando nisso, separamos para você os principais benefícios da neurociência. Dessa forma, será possível notar o quão relevante é usar de métodos científicos para os processos de treinamento e desenvolvimento de seu time.

Ficou curioso? Então siga a leitura e confira!

 

Desenvolvimento de liderança

 

Desenvolver a liderança é um dos maiores desejos dos profissionais contemporâneos, afinal, é um papel cada vez mais valorizado dentro das corporações.

O líder atual precisa ter ciência da relevância de se ter uma equipe de alta performance e, para isso, precisa ter uma noção bem alinhada aos conceitos de comunicação interpessoal, empatia, habilidades para fornecer feedbacks positivos, senso de ética e autoconhecimento, além de uma visão sistêmica.

Um dos benefícios da neurociência para a educação corporativa, sobretudo para o desenvolvimento da liderança, é o fato de que ela vai trabalhar justamente formas de essas habilidades serem desenvolvidas de maneira menos demorada e eficaz.

Isso mostra que, mesmo tida como uma capacidade inata, a liderança pode ser aprimorada e, em muitos casos, desenvolvida.

A neurociência vai auxiliar na ampliação da nossa visão para a criação de novos saberes que vão explicitar o potencial que já estava dentro de nós, mas que não estávamos manifestando de maneira completa.

 

 

Diminuição do estresse

 

Os profissionais contemporâneos sofrem com níveis altíssimos de estresse, pois o mercado de trabalho se mostra cada vez mais exigente e, se o indivíduo não conseguir se organizar para lidar com essas demandas, acaba desenvolvendo esse problema e até mesmo questões mais sérias, como a crise de pânico e de ansiedade, que vêm se tornando cada vez mais comuns.

Para que isso não aconteça, a neurociência vem nos auxiliar a reconhecer, controlar e minimizar os gatilhos que nos causam estresse. Pode ser que você não note, mas o processo do estresse pode ser relacionado a um movimento em cadeia.

Quando você passa a perceber qual é a raiz da sua ansiedade, você começa a controlar esse processo. Por exemplo, se você tem mania de procrastinar e no fim do mês não consegue bater as metas, ou fica uma semana sobrecarregado para dar conta do trabalho atrasado.

Vemos claramente que é necessário criar uma rotina de atividades de modo a fazer com que tudo esteja bem distribuído para que esse problema não ocorra novamente.

Outro exemplo é quando se tem um colega de trabalho difícil. A principal coisa a se fazer é buscar desenvolver empatia por esse indivíduo — a neurociência ajuda a agilizar esse processo e a fazer com que se torne automático criar uma construção mental voltada a analisar os fatos antes de julgar —, o que, consequentemente, diminui o estresse causado.

 

Aprendizado facilitado

 

Estudos desenvolvidos pela neurociência são capazes de mostrar como o cérebro realiza o processo de aprendizado. Com isso, fica mais fácil realizar treinamentos e investir no desenvolvimento dos profissionais, afinal, as formas de transmissão do conhecimento serão confeccionadas de maneira mais objetiva, posto que se conhece o modo como o cérebro vai receber tal conhecimento.

Dessa forma, o treinamento se torna mais efetivo e a compreensão dos colaboradores mais ampla. Ao usas as técnicas certas, fica mais simples acessar o campo mental dos indivíduos e fazer com que eles sejam capazes de manifestar no dia a dia os conhecimentos teóricos.

 

Gestão adequada de recursos humanos

 

Os benefícios da neurociência na educação corporativa não estão limitados aos profissionais, líderes e gestores. Outro departamento que goza dessas vantagens é o de recursos humanos. Isso se explica pelo fato de que esse setor será capaz de analisar de forma mais ampla as demandas dos colaboradores e também seus pontos de melhoria.

Dessa forma, o setor consegue desenvolver um trabalho mais direcionado, objetivando otimizar as ações e o desenvolvimento de cada profissional.

Ou seja, estratégias assertivas serão usadas para fazer com que o indivíduo apresente seu melhor lado e amplie suas habilidades no cotidiano. Além de a neurociência ajudar na gestão do público interno, também auxilia o setor de recursos humanos nos processos de recrutamento e seleção.

Afinal, como será mais fácil identificar as forças e fraquezas do profissional, será mais simples encaixá-lo em uma vaga que se adéque ao seu perfil e que cria possibilidades de ele se desenvolver mais rapidamente, consequentemente, gerando mais resultados.

Quando o setor de recursos humanos e as áreas de modo geral conseguem compreender os padrões de comportamento e o funcionamento do cérebro, o desenvolvimento dos colaboradores é melhor direcionado e suas questões são compreendidas de forma mais ampla e menos empírica. Com isso, até mesmo o senso de justiça é ampliado.

Como vimos, as vantagens da neurociência na educação corporativa têm o potencial de fazer com que os profissionais desenvolvam o autoconhecimento e o autocontrole, diminuindo o estresse e ampliando o potencial de aprendizado.

Ao fazer uso desse conhecimento, o gestor ganha, não apenas em resultados, mas na formação de uma equipe mais lúcida, engajada e voltada a melhoria contínua. Logo, aumenta-se a competitividade e a satisfação com as tarefas, consequentemente, tornando melhor a qualidade do que é produzido.

E então, gostou do nosso post sobre neurociência na educação corporativa? Como está o desenvolvimento de seus profissionais? Para mais artigos como esse, siga-nos em nossas redes sociais e amplie seus conhecimentos. Estamos no Facebook, Twitter e LinkedIn!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *